Wednesday, September 18, 2019
Home > Uncategorized > O crescimento económico da África continua em alta, apesar do aumento da dívida
Uncategorized

O crescimento económico da África continua em alta, apesar do aumento da dívida

Vários países africanos registaram aumento do PIB, apesar dos receios ante o aumento da dívida – segundo o último relatório do ICAEW (Instituto dos Revisores Oficiais de Contas da Inglaterra e País de Gales). Na edição de hoje do Economic Insight: Africa Q2 2018, o organismo de profissionais de contabilidade prevê o crescimento no PIB em várias regiões, inclusive África Oriental, 6,1%; África do Sul, 2,3%; África Central e Ocidental, 3,6% e Zona do Franco, 4,5%.

NAIROBI, Quénia, 21 de junho de 2018, -/African Media Agency (AMA)/- O relatório, feito a pedido do ICAEW e elaborado pelo organismo parceiro e prognosticador económico, o Oxford Economics, apresenta uma breve análise dos desempenhos económicos da região. As regiões abrangem: África Oriental, África Austral, África Central e Ocidental e a Zona do Franco. 
 
De acordo com o relatório, o crescimento no PIB da África Oriental deve-se principalmente à Etiópia. Calcula-se que o crescimento real no PIB de 8,1% resulte dos investimentos contínuos do sector público. No Egito, o mesmo tipo de despesas de capital, viabilizado pelo cumprimento das reformas propostas pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), irá impulsionar um crescimento de 5,0%, tornando-se assim o fator determinante no crescimento de 3,9% no PIB da África do Norte, no ano em curso. 
 
Há previsão de um crescimento substancial de 3,6% na África Central e Ocidental – um registo de aumento, comparado ao percentual de 2,3% em 2017. Destaca-se na região a economia do Gana, cuja taxa de crescimento real no PIB de 7,2% em 2018 deverá proceder, em parte, do aumento dos investimentos do sector público e dos consequentes incentivos ao sector de construção e à indústria transformadora. 
 
“Apesar dos receios da dívida, a maioria das regiões africanas registou um crescimento económico positivo – graças, principalmente, aos investimentos do sector público e recursos de hidrocarbonetos. No entanto, os governos precisam manter essa dinâmica positiva, enquanto estabilizam a dívida pública”, afirmou Michael Armstrong, Diretor Regional, ICAEW Oriente Médio, África e Ásia do Sul. 
 
GRAPHA situação na Zona do Franco é um pouco mais animadora do que em 2017, dado a previsão de crescimento de 4,5% no PIB regional. No entanto, a maior parte do crescimento nas regiões será provida pelas duas economias que não dependem de petróleo, a saber: Costa do Marfim (com crescimento de 7,0%) e Senegal (6,7%), onde os contínuos gastos governamentais em infraestrutura e melhorias consecutivas no ambiente empresarial constituem os principais fatores. 
 
O crescimento da África permanecerá condicionado ao pequeno crescimento da África do Sul. Prevê-se um crescimento de 2,3% no PIB na região, em 2018 – a mais baixa taxa de crescimento regional do continente. 
 
O relatório também destaca as despesas de capital financiadas pela dívida dos governos. Argumenta-se que o receio de sobre-endividamento na África seja bastante exagerado. A retomada do crescimento iniciado em 2017 irá permitir a redução do peso da dívida real a médio prazo. Isso significa que a tendência é um peso de dívida mais sustentável, com o passar do tempo. 
 
Paralelamente, o perfil da dívida pública está a mudar porquanto os produtos personalizados passam a substituir os de prateleira, permitindo assim que governos assumam dívidas externas em condições mais favoráveis do que no passado. 
 
O efeito negativo é que, em determinados países, a dívida irá se tornar um problema. Vários países africanos permanecem em risco de sobre-endividamento, devido a ajustes estruturais fragmentados e empréstimos indiscriminados. E ainda, governos populistas parecem desinteressados em reformas. 
 
Esses fatores nos dão motivos suficientes para ter receio de dívidas, especialmente nos países vulneráveis à oscilação dos preços das matérias-primas. 
 
Para leitura completa do Economic Insight: Africa, queira clicar em: https://www.icaew.com/technical/economy/economic-insight/economic-insight-africa

Distribuído pela African Media Agency (AMA) em nome do ICAEW.
 
INFORMAÇÕES À MÍDIA:
Jamie Douglass
ICAEW Press Office (assessoria de imprensa do ICAEW ),
Tel: +44 (0)20 7920 8718 ou correio eletrónico: James.Douglass@icaew.com 

Corazon Sefu Wandimi,
Tell-Em Public Relations East Africa (relações públicas da África Oriental) –
Tel: (+254) 20 260 9990 ou correio eletrónico: corazon.sefu@tell-em-pr.com

NOTAS AOS EDITORES:

Sobre o ICAEW 

1. O ICAEW é uma importante organização de afiliação profissional no mercado, o qual promove, desenvolve e dá suporte a mais de 147 mil revisores oficiais de contas em todo o mundo. Proporcionamos qualificações e desenvolvimento profissional, partilhamos conhecimentos, percepção e perícia técnica, e protegemos a qualidade e integridade da profissão contabilista e financeira.

Na capacidade de líderes em contabilidade, finanças e empreendimentos, nossos membros possuem os conhecimentos, competências e compromisso necessários à preservação dos padrões e integridade mais elevados. Juntos, contribuímos para o sucesso de indivíduos, organizações, comunidades e economias ao redor do mundo.

Graças a nós, as pessoas podem fazer negócios com confiança.

2. O ICAEW é membro fundador do Chartered Accountants Worldwide (Revisores Oficiais de Contas no Mundo) e da Global Accounting Alliance (Aliança Contabilística Global).

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •